BLOG

Filtrar
08 de abril de 2022

Fazer site para fazenda ou usar só leiloeira?

Fazer um site hoje em dia é algo simples, podendo ser feito de várias maneiras: utilizando plataformas prontas, fazendo com plataformas open source, enfim de várias maneiras. Ainda em 2016 fizemos um post aqui de Como contratar um projeto digital, onde damos algumas dicas. 

Mas a questão aqui não é essa, aqui vamos falar entre fazer ou não o site para sua propriedade, e se for fazer como definir o que e como fazer.


O que devo pensar primeiro para decidir.

Primeiro você deve avaliar algumas questões relevantes para definir o futuro "digital" de sua fazenda ou propriedade. Antes de qualquer item, acho que é válido entender que qualquer tipo de serviço no ambiente digital tem um diferencial, mais do que isso, torna-se uma vitrine na qual não se atinge no ambiente físico, e a pandemia de corona vírus esteve aí presente nos últimos 2 anos para mostrar o quão importante foi a internet e o ambiente digital para todos, especialmente para o comércio e o agro negócio em geral, porém como bem sabemos, marketing digital não resolve se não houver um suporte de um bom site, ou uma boa ferramenta digital por trás, só aparecer sem conseguir coletar informações ou vender seus produtos não resolve.

Vamos à alguns itens para ajudar você a pensar sobre um projeto digital para sua fazenda:

1) Você comercializa itens para clientes finais? Venda de sêmen, genética, gado, animais em geral?

2) Você já fez ou faz leilões com leiloeiras ou alguém para intermediar?

3) Minha fazenda tem capacidade de realizar as vendas diretamente? Se eu já faço pela leiloeira será que consigo dar vazão sozinho?

4) Meus clientes entram em contato diretamente comigo ou só por intermediadores?

5) Os clientes vindos através da leiloeira já estão de bom tamanho ou posso ter mais clientes?


Pense a respeito desses pontos acima, será que é válido ter seu projeto? 


É válido fazer o site para minha fazenda, mas porque?

Analisando a grosso modo, é válido pensar que você tem clientes em potencial que não conhecem seu negócio, sua fazenda, seus produtos. Além disso muitos clientes vem comprar e adquirir seus produtos através das leiloeiras e isso é um ótimo negócio, é justamente a função principal da leiloeira, além de intermediar vários itens e fatores, também fazer o marketing e divulgar para atrair clientes para você. Mas não se pode ficar dependente disso!

Vamos dar um exemplo que usamos regularmente aqui na Agencia General: pense em uma loja virtual onde você precisa investir todo mês R$ 1.000,00 em Google Adsense para ter retorno de R$ 2.000,00, e caso não invista esse valor, o retorno simplesmente não acontece, vale a pena? É realmente um bom negócio? 

Este é um simples exemplo comparativo, pois você precisa ter um projeto sustentável onde fazer o investimento em marketing ou na leiloeira por exemplo, seja válido em alguns momentos porém que seu projeto tenha capacidade de produzir e gerar lucro sozinho!

Justamente por isso é válido fazer o site de sua fazenda, já pensou deixar seu site ou projeto digital no ar e conseguir realizar vendas regularmente ou até mesmo que seja esporadicamente para quem não tinha nem essa venda esporádica já é de grande valor não é? Daí com isso o leilão na leiloeira vai vir justamente para agregar!


O que deve ter o site de uma fazenda?

Primeiro você sabe oque é um site? Parece uma pergunta básica, mas não é, se quiser ler mais tem aqui neste link!

É importante destacar que um site hoje em dia não é mais só uma carinha bonita onde você se apresenta, site não é rede social!!! Site precisa ser ferramenta de negócios onde ajuda você a monetizar, ou melhor ainda traga ferramentas para facilitar o dia a dia do seu trabalho.

Você vende e comercializa animais especiais, que tal apresentar no seu site os animais e toda sua história, com fotos, vídeo e toda sua genealogia. Não precisa necessariamente vender o animal por ali, mas um formulário de tenho interesse já ajudaria a captar seus leads, né?

Sua fazenda vende sêmen e material genético? Bom, então é básico que você irá fazer uma loja ou um sistema de vendas no seu site, claro que isso envolve várias questões como estoque, frete etc, porém se você já esta habituado em vender por outros meios, porque não cortar os intermediários. 

Mais do que isso, porque não fazer no seu site um sistema interno de controle de vendas, um acesso para seus clientes por exemplo baixarem as NF, ou quem sabe até avaliar um acesso a terceiros para vender e ter o controle por ali? Claro que isso são algumas idéias e sugestões que você precisa avaliar se cabem à sua realidade, mas isso tudo é para mostrar que você precisa fazer um site que tenha mais funções que ajude você e não só apresente.


Mas afinal, usar ou não a leiloeira?

Como já citei acima, sim e não! Parece meio contraditório né, mas não é. 

A leiloeira é um ótimo intermediador, você que realiza leilões através delas sabe bem que eles não são somente uma vitrine eles tem funções bem mais complexas que essa, um dos pontos fortes é justamente o marketing por trás e a captação de leads e clientes que eles tem, por realizarem diversos leilões eles tem uma quantidade maior de interessados e potenciais clientes para você e isso é um ponto forte. Além de outros serviços que você pode ou não contratar quando firma o contrato.

Então, para 'responder' a pergunta do título desse artigo: 

Fazer site para fazenda ou usar só leiloeira? 
Sim, é muito importante fazer um site, porém ainda também é importante trabalhar com as leiloeiras se você já faz isso! Afinal, são funções complementares!




Gostou desse artigo? Podemos falar muito mais sobre esse e outros assuntos, entre em contato conosco!

E não se esqueça A General é especialista em leilões e no agronegócio!

LG Trevisani Mascarenhas
Sobre o autorLG Trevisani MascarenhasSócio Diretor da General, trabalha com criação desde 2006 atuou na área de Publicidade e Propaganda trabalhando com impressos e publicidade, deixou o offline para se dedicar somente ao digital. Formado em Artes Visuais com Habilitação em Multimídia e Pós-Graduado em Design Cognição e Mídias.